segunda-feira, 9 de julho de 2012

ENTRE QUATRO PAREDES


Este é num estilo (bem) diferente do que estou acostumado a escrever. Foi escrito em 23/04/2012 e, após muita relutância, estou publicando. Espero que gostem :D
-----------------------------------------------------------------------------------------------
Somente quatro paredes nos cercavam.
O teu olhar de garota safada apoiada de ombros na cama
Penetrava no meu como nas inúmeras vezes que te penetrei na minha mente.
Os beijos que distribuíamos ardiam de fogo em nossos corpos,
Distribuídos de pescoço aos pés, em suspiros constantes.

Uma mão firmemente segurava um pomo teu;
A outra, sedenta, buscava o teu objeto de desejo meu.
Lentamente, os nossos olhos voltavam a se encontrar,
Num prenúncio do que já se tornara inevitável.

A partir dali, somente nossos instintos nos guiaram.
Meu falo passou a nortear as minhas ações.
Naquele vai e vem frenético, uma enxurrada de prazer tomou conta de nossos corpos.
Deixavas a marca feroz das tuas unhas nas minhas costas,
Deixei a marca do meu carinho em teu pescoço.

Somente as quatro paredes foram testemunhas.
Nunca dois corpos se entrelaçaram tanto.
De cima, via teu quadril e as tuas costas tatuadas;
O cabelo teu, eu puxava, e tu, em ais de endorfina,
Proferias palavras de todos os calões, dando-me pseudônimos mil,
Declarando-me tua condição servil.

Possuías o meu cetro viril em tuas mãos.
A brincar com ele, habilidosamente o manipulavas.
Mal pude ver o momento em que ele começou a explorar o interior da tua boca,
Conhecendo até mesmo a tua garganta,
E era regojizador ver a tua expressão de deleite em meu cacete.

Depois, abriste tuas pernas e pude ver todo o paraíso.
De perto, senti o cheio da sua flor de amor, que me inebriava.
Mais de perto, ainda, senti o gosto do desejo
E deliciei-me no néctar do teu vaso de prazer,
Ouvindo teus suspiros sonoros ao alto,
Enrijecendo ainda mais o que ainda te aguardava.

Voltamos a nos enlaçar firmemente.
Sentíamos que o clímax estava próximo.
Quando os meus suspiros se intensificavam, sincronizados aos teus,
Vi que não poderia mais segurar toda a carga que em mim guardava.
Quando vi tuas mãos apertarem com força o travesseiro,
Li as contrações da tua face e corpo.
Retirei a mangueira e esporrei teu hipogástrio,
Enquanto gritavas em endofirnismo constante.

Prazer igual nunca houve no mundo.
Ríamos cansados de nossa loucura, digna de uma peça de cinco atos.
[In]felizmente, somente as quatro paredes foram testemunhas
Do amor que fizemos e das marcas das tuas unhas.

2 comentários:

  1. Nossa!muito lindo!
    Tuas palavras são lindas,falar de sexo é algo difícil nos dias de hoje com tantos Grafiths e axés!

    A Cara da Poesia

    ResponderExcluir
  2. Dan, sempre digo e repetirei quantas vezes preciso, adoro seu jeito particular de escrever

    ResponderExcluir